Comunicação
Bacia de Santos

Centros de Reabilitação e Despetrolização e Unidade de Estabilização de animais marinhos são inaugurados no litoral de São Paulo


O estado de São Paulo ganhou, em uma mesma semana, dois Centros de Reabilitação e Despetrolização (CRD) e mais uma Unidade de Estabilização (UE) de Animais Marinhos.  Nos dias 15 e 17 de agosto, respectivamente, foram inaugurados os CRD de Ubatuba e Cananéia, e no dia 16, a UE de São Sebastião . O início das operações das 3 instalações depende da emissão das respectivas autorizações pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Com isso, o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) – condicionante ambiental estabelecida pelo Ibama para o licenciamento relativo à produção e escoamento de petróleo e gás natural no polo pré-sal da Bacia de Santos – amplia sua capacidade de atendimento aos animais marinhos vivos e mortos, reabilitados ou necropsiados. O objetivo é avaliar a existência de interferência das atividades da Petrobras sobre aves, tartarugas e mamíferos marinhos que utilizam a Bacia de Santos para viver, se alimentar, se reproduzir, ou simplesmente para se deslocar.

Agora já são seis Unidades de Estabilização e cinco Centros de Reabilitação e Despetrolização inaugurados na área de influência da Petrobras para produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos. O PMP-BS abrange quatro estados, de Santa Catarina ao Rio de Janeiro, e foi dividido em duas fases. A primeira está sendo executada a partir de um contrato firmado com a Universidade do Vale do Itajaí (Univali) especificamente para o monitoramento nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

“As parcerias têm sido fundamentais para implantação do PMP-BS, e a UNIVALI tem trazido excelentes resultados”, afirmou Osvaldo kawakami, gerente geral da UO-BS, representante da companhia no evento inaugural em Ubatuba. Representantes da UNIVALI também estiveram presentes. Os resultados têm sido promissores. Em 34 meses de monitoramento, o PMP-BS já registrou números expressivos: 39 mil animais foram registrados e grande parte destes, avaliada.

As instalações dos CDR estão preparadas para receber pinguins e outras aves , leões/lobos-marinhos e golfinhos,  contando com piscinas para os animais, ambulatório, salas de estabilização e despetrolização (caso sejam atendidos animais oleados), internação e isolamento, laboratório de análises clínicas, sala de necropsia, cozinha para preparação de alimentos para animais e área administrativa.

Já as Unidades de Estabilização de Animais Marinhos são equipadas com estrutura para tratamento veterinário especializado, onde o animal resgatado com vida recebe os primeiros atendimentos até ter condições de ser encaminhado a um Centro de Reabilitação e Despetrolização para posterior devolução à natureza.

Pelos dados gerados até o momento, não foi constatada interferência das atividades da Petrobras sobre esses animais, sendo que o lixo e a atividade pesqueira são as principais causas de morte identificadas até o momento. Anualmente são gerados relatórios encaminhados ao IBAMA e disponibilizados também no site: https://www.comunicabaciadesantos.com.br/programa-ambiental/projeto-de-monitoramento-de-praias-pmp.html. Além disso, os dados também estão disponíveis para acesso através do site: https://segurogis.petrobras.com.br/simba/web/

Notícias relacionadas