Comunicação
Bacia de Santos

O Projeto de Monitoramento da Paisagem Acústica Submarina na Bacia de Santos foi elaborado para atender às solicitações do Ibama no âmbito do processo de licenciamento ambiental da Etapa 2 do pré-sal. Tem como objetivo a caracterização da paisagem acústica submarina e o monitoramento do nível de ruído submarino na região do pré-sal da Bacia de Santos e nas rotas de navegação preferenciais que servem à região. Dessa forma, o PMPAS irá subsidiar análises de risco à biodiversidade e estudos de avaliação de impactos sobre a biota marinha.

Para a execução do projeto foram consideradas duas estratégias de monitoramento:

  • Monitoramento fixo: através de equipamentos de medição autônomos instalados no piso marinho por meio de observatórios submarinos em regiões costeiras e através de linhas de fundeio instrumentadas em regiões oceânicas.

  • Monitoramento móvel: realizado através de equipamentos de navegação autônoma do tipo glider e perfiladores acústicos de livre deriva.

O levantamento de dados foi iniciado em novembro de 2015 com a execução do monitoramento móvel e o primeiro ciclo de lançamento do conjunto de dez perfiladores PABLO (Acoustic Iridium Profile Float) e do glider. O monitoramento vem sendo feito de forma continuada, com no mínimo um perfil vertical diário por equipamento. A deriva dos perfiladores e a navegação do glider podem ser acompanhadas em tempo real pela internet através do link http://prooceano.com.br/BR_PMPAS_BS/. A execução do monitoramento móvel é feita em parceira com empresa Prooceano.

O monitoramento fixo encontra-se em fase de desenvolvimento. Na região costeira o foco do projeto são as áreas de acesso aos principais portos que prestam suporte às atividades marítimas para a região do pré-sal. Assim, foram instalados três Observatórios Submarinos: um na entrada da Baía de Guanabara, um nas proximidades do canal de São Sebastião e outro nas proximidades da Baía de IIha Grande.

Já para a região oceânica serão instaladas seis linhas de fundeio, sendo duas fixas em uma área distante das atividades da cadeia produtiva de exploração e produção, e quatro em áreas representativas e com maiores níveis de atividade da Petrobras na Bacia de Santos, tendo a região do pré-sal as áreas de maior densidade de navegação. A execução do monitoramento fixo oceânico será feita em parceira com empresa Gardline, estando em fase de mobilização.

Pelo fato do dado acústico produzido pelo PMPAS apresentar-se como informação sensível para a segurança nacional, a execução dos levantamentos de dados nas regiões costeiras será feita em parceria com o Instituto de Pesquisa da Marinha do Brasil (IpqM), o qual será responsável pela operação dos Observatórios Submarinos e pelo processamento e a análise de todos os dados produzidos pelo projeto. Somente após a seleção e extração dos dados considerados reservados é que as informações e parâmetros de interesse serão disponibilizados ao público em geral.

O acompanhamento do PMPAS pelo Ibama é feito por meio de relatórios executivos e técnicos. Tais documentos são públicos de podem ser solicitados ao órgão licenciador.