Comunicação
Bacia de Santos

Resultados de Projeto de Monitoramento Ambiental serão apresentados em livro


Litoral de Santa Catarina foi alvo de estudos durante três anos

Foto: Bruna Gregoletto

Após três anos de mergulhos, estudos e pesquisas, o resultado do trabalho de Monitoramento Ambiental da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo e Entorno (MAArE) será apresentado em um livro, no próximo dia 23 de agosto, em evento que será realizado em Florianópolis (SC).

A região que foi objeto da pesquisa multidisciplinar abrange as Ilhas do Arvoredo, Deserta, Galé, Calhau de São Pedro e a área marinha que circunda esse arquipélago catarinense. Pela importância biológica, a reserva foi decretada unidade de conservação federal, de proteção integral, em 12 de março de 1990.

Localizada no litoral de Santa Catarina, e com zona de amortecimento chegando até o o Porto de Itajaí, a unidade de conservação foi contemplada no Estudo de Impacto Ambiental no âmbito do processo de licenciamento ambiental dos campos de Baúna e Piracaba (porção sul da Bacia de Santos) e da perfuração da Área Geográfica da Bacia de Santos, passando a ser contemplada com o projeto de pesquisa como uma medida de de monitoramento e controle.  O desenvolvimento do projeto foi exigido pelo ICMBio, órgão responsável pela gestão da Unidade de Conservação, como uma condicionante no processo de licenciamento conduzido pelo IBAMA.

O projeto foi coordenado por professores do departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e envolveu laboratórios e grupos de pesquisas, somando cerca de 140 profissionais.  A pesquisa fez um levantamento completo sobre a área de 17.600 hectares ao Norte da Ilha de Santa Catarina, gerando resultados importantes para a caracterização da biodiversidade marinha e a dinâmica oceanográfica costeira da região.

No evento para convidados, será lançado também o Portal de Monitoramento Marinho, desenvolvido com a finalidade de receber, armazenar e disponibilizar à sociedade os dados biológicos e oceanográficos coletados durante o projeto e que poderá ser utilizado por projetos de monitoramento de qualquer unidade de conservação marinha do Brasil.

Segundo o analista ambiental da Petrobras Fernando Almeida, as partes envolvidas no projeto, representadas pela Petrobras e pela REBIO Arvoredo, reconheceram a oportunidade de ir além do cumprimento de condicionante de licença ambiental. “O desenvolvimento do Projeto MAARE nos proporcionou um modelo de atuação com órgãos ambientais responsáveis pela gestão da conservação, o qual já foi inclusive aplicado em demandas colocadas para Petrobras em outros processos de licenciamentos. Já os resultados do Projeto MAArE, os quais foram compilados na publicação do livro, demonstram que os projetos ambientais vinculado ao licenciamento, quando bem executados, podem  ser instrumentos efetivos de geração do conhecimento para toda a sociedade e contribuir significativamente para a conservação ambiental e desenvolvimento sustentável de uma região.”

Notícias relacionadas